Google não é mais a melhor empresa para se trabalhar

De acordo com o novo ranking da Glassdoor, a Google não é mais a melhor empresa para se trabalhar em solo americano, como registrado no ano passado. Quem lidera agora a lista é a Airbnb, criada em 2008. 

Accelerated Mobile Pages, o 'Instant Articles' do Google, chega em 2016.

Após alguns anúncios sobre o novo projeto do Google, chamado de Accelerated Mobile Pages (AMP), a empresa confirmou que o novo modelo estará disponível no final de fevereiro de 2016. 

Google diz ter provas de que seu computador quântico funciona

O Google e a NASA adquiriram em 2013 um dos supostos computadores quânticos produzidos pela D-Wave. Contudo, cientistas jamais chegaram a uma conclusão definitiva sobre se, de fato, o dispositivo se baseava em mecânicas da física quântica para realizar cálculos. A empresa anunciou esta semana, porém, que finalmente tem provas de que possui o primeiro computador quântico do mundo.

Enquanto computadores convencionais usam bits em 0 ou 1 para resolver problemas e executar tarefas, seguindo as leis da física que conhecemos há séculos, computadores quânticos seriam, teoricamente, capazes de realizar as mesmas funções com "qubits", que existiriam tanto em 0 quanto em 1 e até em 2. Se forem reais, esses dispositivos seriam até 3 mil vezes mais rápidos do que um supercomputador.

O fato é que se sabe tão pouco sobre o reino da física quântica que fica difícil determinar o que é necessário para construir um computador quântico. Contudo, uma publicação feita pela equipe do Google esta semana afirma ter provas de que seu aparelho de fato se beneficia de efeitos da física quântica para resolver problemas de forma muito mais rápida.

Para isso, os cientistas do laboratório de pesquisa do Google colocaram dois computadores - um regular e um quântico - para solucionar um problema de arrefecimento (técnica da ciência da computação que usa conceitos da termodinâmica para gerar resultados probabilísticos).

O computador comum, com apenas um núcleo, teve que usar uma técnica conhecida como "arrefecimento simulado" (ou "simulated annealing"), enquanto o suposto computador quântico teve que executar a mesma tarefa usando o chamado "arrefecimento quântico" ("quantum annealing"). A expectativa era de que o segundo dispositivo fosse extremamente mais rápido do que o primeiro.

"Nós descobrimos que, para problemas envolvendo quase 1.000 variáveis binárias, o arrefecimento quântico superou significativamente sua contraparte clássica, o arrefecimento simulado. Ele foi mais de 108 vezes mais rápido", descreveu o Google em sua publicação. Ao final do experimento, o tempo total para o computador quântico finalizar o processamento foi 100 milhões de vezes mais rápido do que um computador comum, disseram os pesquisadores.

No entanto, a publicação do Google não é prova definitiva de que temos o primeiro computador quântico do mundo. A pesquisa ainda precisa passar por análises e revisões de outros cientistas antes de ser comprovada.

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), por exemplo, já chegou a apontar para o fato de que o computador comum usado no experimento pode ter sido prejudicado na comparação ao usar um código ultrapassado para resolver o problema, enquanto uma solução alternativa poderia tê-lo feito superar seu colega quântico em termos de velocidade.

Além disso, o resultado da pesquisa ainda está longe de provocar mudanças no mercado. Enquanto o Google trabalha para construir o próprio computador quântico, John Giannandrea, vice-presidente de engenharia da empresa, declarou que "é possível que se leve anos até que esse estudo faça alguma diferença para os produtos do Google".

No entanto, o executivo afirma que o desenvolvimento de computadores quânticos é uma peça fundamental para uma mudança brusca na história da tecnologia. "Nós já temos encontrado problemas na criação de nossos produtos que são impossíveis de solucionar com os computadores existentes", disse. "E nós temos muitos deles."

Google sugere que usuários troquem o Gmail pelo Inbox

O Google está sugerindo a seus usuários que substituam o Gmail pelo Inbox, serviço lançado em outubro de 2014. Agora, quem acessa o app do e-mail recebe uma notificação sobre o redirecionamento para o inbox.google.com.

Google traz performances de dança e música em vídeos 360°

O Instituto Cultural do Google anunciou nesta terça-feira, 1°, o lançamento de uma ferramenta que permite que as pessoas assistam a performances mundialmente famosas e renomadas em vídeos 360° ao vivo e online.

Google usa filme "Divertida mente" para ensinar crianças a programar.

São diversos os artifícios usados para atrair um público mais jovem para o mundo da programação, indo desde brinquedos e aplicativos, até referências da cultura pop. O Google está investindo nesse último para ensinar códigos para as crianças, por meio do filme da Pixar que fez um grande sucesso em 2015, Divertida mente.

Google cumpre promessa e acaba com a central de notificações do Chrome.

 

Conforme prometido em outubro, o Google matou a central de notificações do Chrome, um recurso que muita gente nem conhecia. A intenção virou realidade nessa terça-feira, 1, com o lançamento da versão 47 do navegador, que além de acabar com a central também trouxe a correção de 41 brechas de segurança.

Google demonstra computador 100 milhões de vezes mais veloz que PC
Máquina usa física quântica, feito crucial para evolução da inteligência artificial

A Google anunciou nesta semana que um controverso computador, adquirido pela companhia em 2013, é realmente capaz de usar a física quântica para realizar cálculos, feito considerado crucial para o avanço da inteligência artificial. De acordo com Hartmut Neven, diretor de Engenharia do Google Research, um novo algoritmo foi capaz de demonstrar que para a resolução de um problema envolvendo mil variáveis binárias, a máquina foi cem milhões de vezes mais veloz que processadores convencionais.

Google cria experiências imersivas de óperas e concertos

O Google lançou nesta terça-feira (2) uma nova seção de seu Instituto Cultural voltada para grandes salas de teatro, concerto e de arte lírica do mundo. O único representante da América Latina no projeto é o Theatro Municipal de São Paulop, que ganhou um tour completo — incluindo bastidores — similar ao Street View, exposições virtuais e a gravação de um trecho de uma ópera em 360º. 

O novo tablet do Google é bom?

O primeiro tablet lançado diretamente pelo Google chegou ao mercado em diversos países nesta semana. Com isso, as análises começaram a sair por toda parte. EXAME.com fez um levantamento destacando os principais pontos do produto, chamado Pixel C. Confira a seguir.

Segundo o The Verge, o Pixel C tem o visual da linha Chromebook Pixel, mas o tamanho de uma folha de papel A4. Sua tela de 10,2 polegadas tem resolução de 2.500 por 1.800 pixels, o que lhe dá uma densidade de 309 pixels por polegada. Ela tem boa qualidade, mas os vídeos em 4K são exibidos com faixas pretas nas laterais, devido ao seu formato pouco convencional de display.

A configuração do produto é avançada. Ele tem processador Nvidia Tegra X1, 3 GB de RAM e GPU Maxwel. Isso tudo mostra que o aparelho tem vocação para games, afinal, a Nvidia se destaca nesse segmento. Nos benchmarks, aplicativos que medem desempenho geral do produto, o Pixel C se destacou no BaseMark, com 41.000 pontos – o que é mais de 65% do que que conseguiu o smartphone Galaxy S6 Edge, da Samsung – de acordo com o Android Pit.

A bateria do gadget do Google tem longa duração. No teste do The Verge, feito com navegação na web, o aparelho permaneceu por 11 horas ligado. Já o Trusted Reviews constatou que perde-se 10% da carga a cada uma hora de reprodução de vídeos no Netflix.

Em termos de usabilidade, o aparelho mostrou alguma demora na abertura de apps, o que mostra, segundo o The Verge, que o Google ainda não conseguiu tirar total proveito do hardware do Pixel C. Outra falha é que a conexão com o teclado, que acontece por Bluetooth, não é 100% estável. Ela pode cair e, quanto volta, uma série de letras F's aparece.

Sobre o software, o Android do Google ainda não tem suporte para o uso de mais de um app simultaneamente. Isso já está presente em versões modificadas do sistema feitas por outras empresas, como a Samsung. Essa ausência pode atrapalhar quem quer usar o produto para produtividade.

A conclusão das análises é consonante: o Pixel C é um ótimo tablet Android, mas ele não chega a reinventar o uso do dispositivo – e não é muito diferente do que todas as outras fabricantes já tentaram fazer.