Um tributo ao luar para um ícone de pouso na lua.

"Não havia escolha senão ser pioneiros."

É assim que Margaret Hamilton descreve o trabalho no software que nos colocou na lua. Margaret liderou a equipe que desenvolveu o software de voo a bordo para todas as missões tripuladas da NASA na Apollo, incluindo o histórico pouso na lua da Apollo 11.

Com o aniversário do pouso lunar se aproximando, o Google começou a brilhar sobre a influência de Margaret na Apollo e no campo da engenharia de software em si. O tributo foi criado posicionando mais de 107.000 espelhos no Ivanpah Solar Facility, no Deserto de Mojave, para refletir a luz da lua, em vez do sol, como os espelhos costumam fazer. O resultado é um retrato de 1,4 quilômetro quadrado de Margaret, maior do que o Central Park de Nova York.

No Laboratório de Instrumentação do MIT na década de 1960, Margaret estava trabalhando no código do Apollo Guidance Computer. Uma mãe que trabalha, às vezes ela fez o que muitos de nós fazemos: ela levou sua filha, Lauren, para o escritório. Margaret costumava testar programas no simulador e Lauren gostava de brincar de astronauta como sua mãe. Um dia, Lauren bateu o simulador depois que ela apertou um botão que acionou um programa de pré-lançamento enquanto a missão estava em pleno vôo.

Margaret não repreendeu Lauren. Em vez disso, ela ficou impressionada com um pensamento: "E se um astronauta fizesse a mesma coisa durante uma missão real?" Margaret fez um lobby para adicionar um código que impediria que uma falha no sistema realmente acontecesse, se o fizesse.

Essa maneira de pensar veio a definir o trabalho de Margaret. Ela sempre perguntava: “E se algo que você nunca pensou que aconteceria acontecesse?” Então, ela desenvolveria e testaria um sistema que estaria preparado para esse cenário.

Sua mentalidade “e se” foi crucial em todas as missões da Apollo, onde o software teve que funcionar perfeitamente e teve que trabalhar pela primeira vez no espaço. Tenha em mente que isso acontecia numa época em que a engenharia de software literalmente não era uma coisa ainda - a própria Margaret cunhou a frase “engenharia de software” enquanto trabalhava na Apollo.

A mentalidade de Margaret mais famosa valeu a pena momentos antes de a Apollo 11 pousar. O computador de orientação estava sobrecarregado de tarefas e passou por uma série de reinicializações, acionando alarmes que poderiam forçar um aborto. Mas o software da equipe era confiável, e a exibição prioritária (que Margaret criou e lutou para incluir) deixou os astronautas e o Controle da Missão saberem com o que estavam lidando. A Águia conseguiu pousar com segurança, e Neil Armstrong conseguiu dar aquele pequeno passo.

Um retrato de Margaret Hamilton

Margaret, em 1969, ao lado das listas do código-fonte do Apollo Guidance Computer. Foto cedida pelo MIT Museum.

À medida que o aniversário desse momento histórico se aproxima, todos nós podemos agradecer a Margaret por sua participação nela. Mas me dou graças a muito mais:

Por ser pioneira no campo da engenharia de software. Um campo que mudou o nosso mundo.

Por nos lembrar de pensar sempre no usuário e continuar nos esforçando para tornar o software mais confiável e mais útil para eles.

Por nos inspirar a todos a fazer fotos de lua, mostrando-nos o que é possível quando você trabalha incansavelmente com eles, e demonstrando o que a magia pode vir quando você permite que a perspectiva de uma criança mude a maneira como você pensa sobre o mundo.

O Indie Game Festival Anuncia Vencedores

Leia mais...

Android Market e Google Play

Leia mais...

Novo Google Pixel 5 com 5G

Leia mais...

10 Curiosidades Sobre o Android

Leia mais...

Bem-estar Digital para seu Android

Leia mais...